Eu preciso passear todo dia com o meu cachorro?

Essa pergunta gera muito polêmica entre os donos, especialmente entre aqueles que possuem quintais com bastante espaço para os cães correrem. Não importa se a sua casa é grande, ou se a raça do seu cachorro é de um porte pequeno, o passeio é fundamental para a liberação da serotonina e dopamina, neurotransmissores que relaxam não só o animal, mas também os seres humanos.

Durante o passeio, o cão explora novos ambientes, que oferecem para ele um enriquencimento ambiental repleto de novos cheiros, contatos com outros animais, pessoas, inclusive outros sons, que muitas vezes o animal precisa vivenciar para não se tornar ansioso. É comprovado que um passeio libera 20 horas de serotonina e dopamina no cérebro dos animais, por isso, é importante tornar essa atividade diária, dessa forma, você mantem a sensação de bem-estar e energia do seu melhor amigo.

Se o seu cão é do tipo que puxa muito a coleira, ou seja, que possue um comportamento ansioso durante os passeios, praticar essa atividade regularmente vai torná-la cada vez mais natural e deixá-lo menos suscetível negativamente a essa prática. Eu costumo indicar para donos que possuem animais agitados e que destroem tudo que encontram pela frente, primeiro brincadeiras diárias e segundo os passeios, que ajudam a gastar energia e aproximam ainda mais os animais de seus proprietários.

Como ter um passeio mais agradável?

Muitos cachorros puxam a coleira e dependendo do tamanho e da força do animal, o dono se sente levado para passear e não o contrário. Para tornar o passeio mais agradável deixe a coleira um pouco frouxa, leve petiscos para gerar interesse do animal e comece andando rápido sem direção até o cão prestar atenção em você, quando ele fizer isso, ofereça um petisco e parabenize-o, em seguida volte  a andar da mesma forma.

A repetição desse movimento vai despertar o interesse do animal, que sabe que pode ganhar uma recompensa. Em nenhum momento puxe a coleira, torne o movimento natural e elogie seu cão quando ele respeitar o comando de olhar para você. Após esse treinamento, direcione o cachorro para o seu lado esquerdo, mantenha os elogios e os petiscos, claro que, durante todo o processo você precisa notar o animal caminhando do seu lado e te seguindo sem nenhum esforço.

Com o tempo, esse treinamento avança para um ponto em que o animal para junto com o dono e se senta. Esse comportamente é ideal especialmente ao atravessar uma rua, isso oferece mais segurança para o cão e seu dono. Depois que o pet aprender a andar do seu lado sem puxar a coleira, sempre o recompense quando ele parar junto com você e se sentar para te esperar. Normalmente o cachorro leva em média de duas a três sessões de adestramento para aprender o conceito do passeio e até dez para finalizar o treinamento.

Esse comando é muito importante não só para deixar o passeio com seu melhor amigo mais prazeroso, mas também para deixá-lo completamente seguro e sem ansiedades. Curtiu a dica? Deixe sua história nos comentários.

 

Comportamento compulsivo em cães

Sabe aquela mania de perseguir o próprio rabo que seu cachorro tem? Muitas vezes até damos risada, mas esse hábito, aparentemente inocente, pode indicar o início de uma compulsão. Alguns animais, por exemplo, desenvolvem transtornos tão graves que praticam a mania durante todo o tempo que estão acordados, deixando de se alimentar, se  hidratar e praticar exercícios.

Antes de entender o comportamento compulsivo é importante compreender o que desencadeou essas manias. Entre as principais causas estão: mudança drástica na rotina do animal, mudança de casa, a chegada de uma pessoa nova na família, entre outros. Vale verificar também se a causa é física, problemas de pele ou parasitas podem levar os animais a se coçarem sem parar até causarem ferimentos graves, por isso, faça uma checagem em todo o corpo do cão para eliminar todas as possibilidades.

Recentemente eu atendi uma cocker spaniel, que pela sua linhagem costuma ter um comportamento dócil, mas esse não era mais o caso da Lana, de 5 anos. Após a chegada do mais novo membro da família, o Enzo de apenas 2 meses, a pet começou a apresentar lambedura na pata dianteira. A família fez a interação entre o bebê e o cão, tentaram reforços positivos, até chegarem ao meu consultório. Tudo indicava stress, mas eu senti que nesse caso o problema era outro.

Acabei descobrindo uma predisposição genética que gerou desequilíbrio químico nos neurotransmissores da Lana, levando ao seu comportamento atual. Quando a mania é biológica, a primeira medida é inserir uma rotina de exercícios físicos, além disso, medicamentos também podem ajudar a reverter o distúrbio. Vale lembrar que é sempre indicado procurar um veterinário para auxiliar no melhor tratamento.

Como ajudar o seu melhor amigo?

Antes de mostrar dicas de como ajudar o seu pet, veja alguns comportamentos que podem servir de alerta:

– Perseguir constantemente o próprio rabo
– Perseguir objetos que não existem
– Latir sem parar
– Se alimentar sem controle
– Lamber constantemente uma área do corpo
– Coçar ou morder sem parar o próprio corpo
– Fixar-se a um brinquedo

Identificou algum desses comportamentos no seu melhor amigo? Consulte um veterinário e tenha muito carinho e paciência durante o processo de mudança. Inclua em sua rotina fazer pelo menos uma volta no bairro por dia, quanto menor for o espaço que seu pet tem em casa para gastar energia, maior deve ser o tempo dedicado ao passeio.

Cachorro com hábitos compulsivos não deve ficar longos períodos sozinho, mas se você trabalha fora e não tiver outra solução, deixe brinquedos e artefatos que o distraia na sua ausência. Aposte nos brinquedos de forrageamento, são brinquedos que promovem o enriquecimento ambiental, estimulando os sentidos e o desenvolvimento dos animais, dessa forma, ele não se sente entediado ou preso, é quase como reconectar o seu cão aos seus instintos ancestrais.

Para evitar que seu animal enfrente problemas de stress relacionados a mudanças de rotina ofereça para ele possibilidades, mostre todos os dias o mundo lá fora, faça com que ele conheça pessoas novas, sinta cheiros diferentes, não o deixe aprisionado a um único ambiente ou as mesmas pessoas.

Por fim, pense no seu animal como um ser que sente, que ama e que quando chega em uma família merece ser tratado com respeito e responsabilidade. Mania de cão merece atenção, investigue todo o ambiente que você vive, preste atenção se o seu animal tem uma alimentação balanceada, se pratica exercícios regulares, faz visitas ao veterinário, ah e por fim, brincadeiras e muita cumplicidade é a chave para tudo.